ENERGIA
          O conceito de energia é intuitivo. A energia designa tudo o que pode ser transformado em calor, trabalho mecânico* relacionado a movimento ou luz, tudo isso, graças a uma máquina, como por exemplo: O motor de um carro; A caldeira de uma fábrica; O refrigerador de nossa residência; O alto-falante de um equipamento de som; Todo o tipo de lâmpadas.
          Conhecemos diversas formas de energia em nosso dia-a-dia, tal sendo as principais: a Energia Mecânica; a Energia Química; a Energia Elétrica; a Energia Luminosa e a Energia Atômica.
          Para reparações simples em qualquer tipo de eletricidade, precisamos conhecer bem as três unidades elétricas: Resistência; Tensão ou voltagem e Corrente ou amperagem.
          Vejamos agora a definição dessas três unidades fundamentais da eletricidade.
Resistência Elétrica: é a propriedade do condutor que mede a oposição* à passagem da corrente elétrica. Esta corrente pode encontrar maior ou menor dificuldade ao passar por uma carga. Assim, quanto maior o valor da resistência menor será a intensidade da corrente e, quanto menor a resistência, maior a corrente.
         A resistência elétrica representada pela letra “R” é medida em Ohm, cujo símbolo é a letra Grega “Omega*”.
         A resistência elétrica pode ser aplicada de diversas formas, tais como: em lâmpadas incandescentes; fusível; ferro de passar roupa e muitos outros.
         A resistência de um fio é definida como sua oposição à passagem de elétrons. Quatro fatores determinam a resistência de um fio: seu comprimento, a área da seção transversal*, a temperatura e o material. As substâncias metálicas, em geral, são classificadas como bons condutores de eletricidade.
Comprimento do Material - quanto maior o comprimento, maior será a resistência elétrica do material.
Á rea de Seção Transversal - quanto maior a área, menor será a resistência elétrica do material.
Resistividade do Material - os materiais com pequeno número de elétrons livres em seus átomos, à uma temperatura ambiente, possuem resistividade* maior. Já os que possuem muitos elétrons livres, como os metais em geral, são bons condutores, logo, possuem baixa resistividade.
Temperatura - para a maioria dos materiais, a resistência elétrica aumenta à medida que a temperatura aumenta.
Tensão Elétrica: também conhecida por Potencial elétrico, é a quantidade de cargas elétricas em um corpo. Se dois corpos têm quantidades diferentes de carga e, portanto, potenciais diferentes, há entre eles uma diferença de potencial.
         Para facilitar, a partir de agora, sempre que tratarmos dessa força, vamos chamá-la de tensão elétrica ou simplesmente tensão. Alguns autores gostam mais de chamá-la de voltagem ou ainda de diferença de potencial. É a mesma coisa.
         A Tensão elétrica é representada pela letra “E” ou também pela letra “V”. A tensão é medida em volts, cujo símbolo é “V”.
         Para fazermos com que os elétrons circulem por um condutor, necessitamos de uma força. A força que faz os elétrons se deslocarem dentro de um condutor é chamada de força eletromotriz, diferença de potencial, tensão ou voltagem. Por exemplo, a bateria de um automóvel fornece tensão de 12 volts e a tensão que alimenta os circuitos das residências pode ser de 127V ou 220V.
Corrente Elétrica: é o fluxo orientado de elétrons através de um condutor, quando submetido a uma diferença de potencial. Entretanto, para que ocorra o movimento desses elétrons livres é necessário que exista ainda um circuito fechado. Dizemos, então, que a corrente é o fluxo de elétrons através do condutor. A corrente elétrica também é conhecida como amperagem.
          A corrente elétrica representada pela letra “I” é medida em ampères, cujo símbolo é a letra “A”.
LEI DE OHM
          Já vimos que para existir uma corrente elétrica entre dois pontos é necessária uma tensão entre esses pontos. Mas que relação existe entre essas duas grandezas? Qual o valor da corrente elétrica que passa por um condutor quando suas extremidades são ligadas a uma determinada diferença de potencial? Você já deve ter se perguntado: na prática, onde aplicarei a Lei de Ohm?
          Certamente, durante a manutenção, você não fará cálculos que envolvam as unidades elétricas apresentadas até aqui. Entretanto, serão inúmeras às vezes em que será necessário medir a intensidade de uma corrente, tensão ou resistência elétrica. Há momentos que ocorrerão dúvidas como:
          - É possível simplesmente substituir um resistor por outro de maior potência?
          - Se todos os fusíveis têm o mesmo princípio de funcionamento, por que substituí-los somente por outro com as mesmas características do original?
          - Por que os fios condutores têm valores específicos?
          É importante que você, como profissional competente, saiba essas respostas e assim desenvolver um trabalho consciente e de qualidade.
          Georg Simon Ohm experimentando diferentes espessuras e comprimentos de fios, acabou descobrindo relações matemáticas extremamente simples envolvendo essas dimensões e as grandezas elétricas.
          Verificou que a intensidade da corrente era diretamente proporcional à área da seção do fio e inversamente proporcional a seu comprimento. Com isso, Ohm pôde definir um novo conceito: o de resistência elétrica.
          Em 1827, Ohm conseguiu formular um enunciado que envolvia, além dessas grandezas, a diferença de potencial:
          " A intensidade da corrente elétrica que percorre um condutor é diretamente proporcional à diferença de potencial e inversamente proporcional à resistência do circuito".
          Tal enunciado é até hoje conhecido como Lei de Ohm.
          Uma maneira fácil de memorizar e entender a lei de OHM é através de um triângulo dividido em três partes. Nele você escreverá a palavra “ REI ”, conforme é mostrado no desenho.

          Uma maneira muito simples de entender o significado dessas três unidades: tensão; corrente e resistência é através da comparação entre a instalação de circuito hidráulico completo da corrente de água, desde a caixa d'água até à torneira e um circuito elétrico desde o gerador de energia elétrica até uma carga aplicada na outra extremidade (circuitos 1 e 2).
POTÊNCIA ELÉTRICA
          E o que vem ser Potência Elétrica?
          A oposição encontrada pela corrente ao tentar circular, através de uma carga, um resistor ou uma lâmpada, por exemplo, se traduz na necessidade de haver um gasto de energia. A energia elétrica disponível num circuito, utilizada para forçar a circulação da corrente, provoca uma elevação da temperatura da carga.
         A potência elétrica representada pela letra “P” tendo como unidade o Watt, nada mais é do que a multiplicação da tensão “E” pela sua intensidade da corrente “I”.
         Numa aplicação prática, se considerarmos que a resistência, tensão e corrente estão inter-relacionadas, através da Lei de Ohm, a potência desenvolvida por uma carga, em forma de calor é função de, pelo menos, duas das três grandezas citadas na lei de Ohms: Resistência e corrente; Resistência e tensão ou ainda Tensão e corrente.

CIRCUITO ELÉTRICO
         Os circuitos são constituídos de um grande número de componentes, tais como: relés, transformadores, resistores, transistores e diodos, enfim, todos se utilizando da eletricidade ou sofrendo atuação direta desse fenômeno*. O circuito elétrico é formado pelos fios que efetuam as interligações entre os componentes e a fonte de alimentação.
Associação em série: os componentes do circuito, são ligados um após outro de tal forma que a corrente tenha um único caminho a seguir. O que caracteriza este tipo de circuito é que a corrente elétrica é a mesma em qualquer ponto, mas a tensão é distribuída entre os componentes.
          Numa associação em série, o primeiro fator a ser lembrado é que a corrente total denominada de “I total” é igual a que passa através dos resistores.
          Um segundo fator, não menos importante, é como relacionar a resistência total ou resistência equivalente com as resistências que participam da associação. A resistência total denominada de “Rt” é igual à soma dos valores das resistências, que participam da associação.
          Por último a tensão total aplicada sobre a associação é dividida proporcionalmente de acordo com o valor do resistor.
Associação em paralelo: Seguidamente é necessário ligar as cargas (resistores ou até mesmo aparelhos elétricos), de maneira que uma única fonte de tensão alimente todo o conjunto. Como se pode ver, a mesma fonte de tensão está sendo aplicada no abajur, no ferro elétrico, na televisão e no liquidificador.
         A corrente divide-se entre os vários ramais do circuito paralelo, de maneira que seu valor depende exclusivamente do valor da resistência de cada ramal, sendo os ramais de baixa resistência que drenam mais corrente do que os ramais com alta resistência.
Associação série-paralelo: Uma vez entendidos os circuitos série e o paralelo, o circuito misto ou série-paralelo é muito fácil. Como o próprio nome está dizendo, este tipo de circuito contém os dois tipos de circuito vistos anteriormente.
         Observe no desenho que os resistores R2 e R3 estão em paralelo e que este conjunto está em série com os resistores R1 e R4.

Vocabulário

Intuitivo = Por exemplo: sabemos o que é energia sem que ninguém nos diga o que é energia.
Omega = A vigésima quarta (24) e última letra do alfabeto grego, correspondente ao o longo.
Trabalho Mecanico = Resultado útil do funcionamento de qualquer máquina.
Oposição = Ato ou efeito de opor-se; impedimento, obstáculo.
Seção Transversal = Parte de um todo; no condutor elétrico é a área correspondente à sua espessura.
Resistividade = Resistência elétrica de um corpo de seção reta uniforme com área unitária, e cujo comprimento é igual à unidade; resistência específica.
Fenômeno = Fato de interesse científico, suscetível de descrição ou explicação.